Páginas

sábado, 5 de setembro de 2015

NÃO É QUE EU SEJA PUTO, SÓ TIVE DESEJO - I



As tardes de sábado geralmente me atormentam. Ainda bem que hoje o tempo está feio em São Paulo. As viagens de feriados não me tornam iguais aos demais, que pegam seus carros e correm para as filas nas rodovias. Prefiro ficar em paz, aproveitar o sossego, a cidade.
E era uma tarde boa, um sol bonito. Digno de gozar e correr pra gozar de novo! Yure me chama no aplicativo. Está  estudando e trabalhando formalmente, que orgulho!
Marcamos um encontro para umas 18 e por volta das 17, eu estacionava no Arouche, perto do seu trabalho.
Assim que cheguei, comecei a notar a rotina daquele final de tarde ensolarado. Umas bichas fumavam suas tabas na prainha, outras faziam seus carões de sempre, enquanto um cafuçu delicioso segurava uma placa de uma incorporadora, com anúncio de imóveis. Claro que meus olhos largaram tudo e se voltaram só para ele.

Ao passar por ele, um olhar de puta lhe foi lançado e estacionei ao seu lado. Olhou para mim e continuou em seu afazer. Apenas ficar sentado. Fiquei a imaginar, quantos caraminguás deve ganhar por dia, para tal tarefa, enquanto propositalmente, saquei a isca do porta-luvas. Em questão de segundos, ele estava me pedindo um cigarro. Conversa vai, conversa vem e eu já sabia de onde ele era e quanto ganhava para segurar aquela placa o dia inteiro. 80 reias. Fiz a malévola e disse que aquilo era um absurdo(embora estivesse me lixando). Ficamos ali papeando e chegamos no assunto que me fizera gastar um cigarro. A possibilidade de levar o cafuçu para um banho no hotel. Adentramos  assunto michê/prostituição masculina, até então, segundo ele, desconhecido por si e ri quando ele quis saber se eu já havia transado com algum cara por grana. 

NÃO FOI COM ELE...

Após um longo papo, quando eu achava que o bofinho tava no papo, ele me vem com um discurso moralista, seguido de uma ilusão característica de pessoas que não sabem nada da vida. Ele pra transar com um cara, deveria ganhar pelo menos uns  mil. Oi? Informei-lhe que caras que se acham os mais gostosos do Mundo, alugam o pau, a boca e abunda por 50, 100,300 reais.
Ja diante da realidade, me pediu para achá-lo e adicioná-lo no Facebook. Achei, mas não adicionei, porque não sou obrigado, a nada!

Mesmo antes de finalizar o papo, Yure me chama no whatsapp...Estava chegando.
- Com licença, vou dar a bunda agora. Disse-lhe e me despedi.
Pediu novamente para adicioná-lo na face, vai que eu o convencia, aloka!
Ignorei e abracei discretamente, aquele que me daria momentos de prazer, sem fazer julgamento, nem, abertamente, estar vestido com o falso moralismo e mimimi...odeio mimimi!

Ao entrarmos no quarto do hotel, após um abraço apertado, seu pau estava duríssimo,ainda sob a calça. Foi ao banho e na volta, aquela coisa enorme, dura e reta apontava pra mim, dando sinais que estar ali, significava, além de qualquer coisa, querer estar. Seria sexo comigo! Me sinto mais puta ainda, quando percebo que o boy simplesmente sente tesão quando está comigo.
Deitados, lado a lado, jogamos papo fora, enquanto nossas mãos indiscretas, percorriam caminhos que eram de nossos interesses.
Eu estava pronto e ele já estava babando!Deitei em seu peito e fiquei ali, por um bom tempo, me maravilhando com aquele corpo todo gostoso e aquele sexapil que que sempre está em minha memória.
Passou gel, amaciou a carne e com jeito, foi encaixando seu corpo no meu. Primeiro, deitou-se sobre meu corpo pude sentir seu calor e respiração. Me pegou daquele jeito mesmo e não suportei. Me fez ficar de 4 e o barulho que seu corpo fazia em contato com o meu, anteciparia o êxtase. Não podia acabar, assim, em uma única posição. Mas como já o conheço, sei que preciso controlar a situação. Fiz demorar. Pensava em mudar de posição, mas estava tão bom, que não quis arriscar. Queria gozar ali, daquele jeito. 
"Quero gozar fora, em seu peito..." Me contrariou...
Gozei e foi chegada sua vez. Tirou  e gozou conforme prometido.
Urros e tremedeira, misturados a jatos consistentes. Um acertou o meu rosto. Tentei levantar e ele pediu calma. Deitou-se sobre mim e ficamos ali, eu sentindo seu corpo, ainda a estremecer.
Mais um abraço apertado e uma recomendação.
" Pense em mim, em sua próxima gozada".


JÁ ESTAVA BOM, MAS EIS A SURPRESA!...

Yure desembarca e eu já estava disposto a retornar para o lar, imaginando descansar o corpo e embarcar em outras atividades sociais. Puta também vai ao cinema( não cinemão), teatro, shopping, livraria, etc.
Ao andar alguns passos, para dar uma rápida conferida nos pontos estratégicos, deparo-me com aquele que ficaria com o meu resto de dia e final de noite.
Jeferson já engatilhava a entrada para a balada barata com um senhor, quando da minha passagem discreta, fingindo não tê-lo notado.